domingo, 17 de julho de 2011

"[...] as outras características desse mundo mais feliz e mais estável - os equivalentes do soma e da hipnopedia e o sistema científico de castas - não estão, provavelmente, a mais de três ou quatro gerações de nós. E a promiscuidade sexual de Admirável Mundo Novo também não parece tão distante. Já existem cidades norte-americanas em que o número de divórcios é igual ao de casamentos. Dentro de poucos anos, sem dúvida, licenças para casamento serão vendidas como as licenças para a posse de cães, válidas por um período de doze meses, sem nenhuma lei que proíba a troca de cães ou a posse de mais de um cão de cada vez. À medida que diminui a liberdade política e econômica, a liberdade sexual tende a aumentar como compensação. E o ditador (a não ser que precise de massa de manobra e de famílias para colonizar territórios despovoados ou conquistados) agirá prudentemente estimulando essa liberdade. Em conjunção com a liberdade de sonhar sob a influência das drogas, do cinema e do rádio, ela ajudará a reconciliar os súditos com a servidão que é o seu destino. [...]"

Aldous Huxley - Admirável Mundo Novo.

Admirável Mundo Novo foi publicado em 1932. O trecho acima faz parte do prefácio escrito por Huxley em 1946.

2 comentários:

sarah disse...

Para mim este autor preveu o que esta acontecendo nos dias atuais.

Quem está pensando aleatoriamente disse...

Pseudo leitora Sarah, recomendo que você leia esse livro, garanto que você não vai se arrepender.
Abraços fraternos.